Roteiro – Trekking à Nascente do Amazonas

1º dia – terça-feira – 21/05/2019: Arequipa

Encontro no hotel reservado para a expedição, onde os guias apresentarão os detalhes do roteiro e farão uma revisão dos equipamentos e roupas dos participantes, ajudando-os na organização de seus itens pessoais. Restante do dia livre para compra e/ou aluguel de equipamentos e roupas e preparação da bagagem para a expedição. Pernoite em hotel.

 

2º dia – quarta-feira – 22/05/2019: Arequipa – Chivay (Passeio no Cañon del Colca)

Sairemos do hotel às 08:30 da manhã, embarcando em transporte privado com destino a Chivay (3651 m). A estrada passa ao redor do vulcão Chachani (6057 m) e, a seguir, pela Reserva Natural Pampa Cañahuas, onde faremos uma parada para apreciarmos o visual e fotografarmos as vicunhas, camelídeo andino que habita a área da reserva. Retomaremos o caminho para Chivay, fazendo outra parada em Patapampa (4800 m), o ponto mais alto da estrada com uma vista privilegiada das diversas montanhas da região. Depois de Patapampa começa uma longa descida até o Cañon del Colca e a vila de Chivay, onde chegaremos no início da tarde. Após acomodarmos a bagagem em nosso hotel e almoçarmos, iremos às águas termais em La Calera, onde será possível tomar um relaxante banho. Pernoite em hotel.

 

3º dia – quinta-feira – 23/05/2019: Chivay (Passeio no Cañon del Colca)

Nesse dia sairemos cedo, por volta das 07:00, para visitarmos o mirante natural conhecido como Cruz del Cóndor, chegando no horário mais adequado para se avistar os inúmeros condores que sobrevoam o cânion nas primeiras horas do dia, aproveitando as correntes térmicas após o amanhecer. Passaremos também pelas vilas de Pinchollo, Maca, Achoma e Yanque, retornando a Chivay por volta das 13:00. Restante do dia livre para descanso e preparação das mochilas para o trekking, que se iniciará no dia seguinte. Pernoite em hotel.

 

4º dia – sexta-feira – 24/05/2019: Chivay – Tuti – Rio Mismi

Sairemos do hotel às 07:30 em transporte privado com destino a Tuti (3790 m), pequeno povoado distante 15 km de Chivay, onde encontraremos os arrieiros e as mulas que carregarão nossas bagagens durante todo o trekking. O início da caminhada é por uma trilha bem marcada que, pouco a pouco, vai ganhando altura, nos brindando com uma linda vista dos contornos do Cañon del Colca. Após 3,5 km, percorridos em menos de 2 horas, chegaremos às ruínas de Naukallacta ou Ñaupallacta, também conhecida como Espinar de Tuti, uma antiga cidade abandonada, localizada a 4086 m de altitude. Naukallacta foi construída pelos espanhóis no lugar onde havia uma antiga cidade dos índios kollawa, que habitavam a região, e sua arquitetura de pedra mescla elementos indígenas com traços europeus, como se percebe pelos restos de uma grande igreja semidestruída.

Após Naukallacta teremos a subida mais forte desse primeiro dia, atingindo a um falso “passo de montanha” a cerca de 4600 m. O local, na verdade, é uma espécie de “pampa”, ou campo de altitude, com vista para o Nevado Mismi (5597 m) e para as montanhas da Cordilheira Ocidental. Se tivermos sorte, poderemos ver as fumaças do ativo vulcão Sabancaya (5976 m). Faremos, a seguir, uma descida até a Quebrada (vale) do Rio Mismi, onde montaremos nosso primeiro acampamento a 4530 m.

Distância percorrida: 13,5 km.

   

5º dia – sábado – 25/05/2019: Rio Mismi – Base do Paso do Nevado Mismi

No segundo dia de caminhada continuaremos subindo pela Quebrada do Rio Mismi. Ao fundo do vale será possível vislumbrar o “passo de montanha” que teremos que cruzar, para chegar até a nascente do Amazonas. Passaremos por diversas ruínas ao longo do rio, ganhando altura progressivamente até chegarmos a uma área plana logo abaixo do “passo”, a 4870 m de altitude, onde montaremos nosso acampamento.

Distância percorrida: 6,8 km.

 

6º dia – domingo – 26/05/2019: Base do Paso do Nevado Mismi – Nascente do Amazonas

O principal objetivo do dia é cruzarmos o “passo de montanha” situado a 5275 m para, finalmente, chegarmos à tão desejada nascente do rio Amazonas. Apesar da aparente proximidade do “passo” teremos cerca de 400 m de desnível para vencer, seguindo pelo ziguezague da trilha. Dependendo das condições climáticas, é possível que atravessemos esse trecho com neve. Chegando no “passo” teremos um incrível visual como recompensa: diante de nós, do outro lado da montanha a oeste, a imensidão da Cordilheira de Chila, com os paredões de pedra mais abaixo, onde nasce o Amazonas. E a leste, na direção de onde viemos, a Cordilheira Ocidental com o Cañon del Colca a seus pés.

O caminho continua descendo pelo outro lado do “passo”, pela Quebrada Carhuasanta, dirigindo-se à parede rochosa à esquerda que se destaca na paisagem por sua coloração alaranjada, parecendo ganhar tons dourados à medida em que se aproxima o final da tarde. Sua cor talvez explique o nome desse paredão, Choquecorao, já que “choque”, em quéchua, significa ouro. Em pouco tempo de descida já é possível identificar uma grande área verde aos pés da parede e escutar um ruído de água corrente. Um verdadeiro oásis no meio da aridez dessa região andina! A abundância de água atrai as aves e os sons e cantos dos pássaros nos faz recordar imagens edênicas. Subiremos pelas rochas e seguiremos uma trilha secundária que acompanha a parede Choquecorao até chegarmos a uma pequena gruta onde brota uma água cristalina: a nascente do Amazonas! Uma placa comemorativa marca o local em que começa o maior rio do mundo. Após a visita à nascente, continuaremos descendo pela Quebrada Carhuasanta até um local plano e adequado para montarmos nosso acampamento, a uma altitude aproximada de 5100 m.

Distância percorrida: 8,2 km.

 

7º dia – segunda-feira – 27/05/2019: Ascensão ao Nevado Mismi

O quarto dia de trekking está reservado para a subida do Nevado Mismi (5597 m). Para tal, é preciso retornar até o “passo de montanha” que cruzamos no dia anterior e seguir pela crista da montanha até o cume. Não existem dificuldades técnicas nessa rota, apenas muitas pedras soltas que exigem um pouco de “escalaminhada”, uma combinação de caminhada com escalada básica. O Nevado Mismi era uma montanha sagrada para os incas e em seu cume foram encontrados vestígios de um antigo enterramento, com restos de tecidos, cordas e uma estátua feminina de ouro, muito provavelmente uma evidência de um sacrifício humano. A subida do Nevado Mismi tem uma duração estimada de 4 a 5 horas, sendo a descida realizada em 2 a 3 horas.

Os participantes que não desejarem subir o Nevado Mismi poderão fazer um dia de descanso, permanecendo no acampamento ou aproveitando para curtir um pouco mais a nascente do Amazonas.

 

8º dia – terça-feira – 28/05/2019: Nascente do Amazonas – Quebrada Apacheta – Quebrada Calomoroco – Quebrada Sahuayto

Continuaremos descendo pela Quebrada Carhuasanta até o encontro desse vale com a Quebrada Apacheta, local onde começa o rio Loqueta a partir da junção das várias fontes de água que correspondem às diversas nascentes do rio Amazonas. Subiremos pela Quebrada Apacheta e, depois, pela Quebrada Calomoroco. Após cruzarmos mais um “passo de montanha” a 5147 m, desceremos pela Quebrada Sahuayto, onde montaremos nosso último acampamento a 4850 m de altitude.

Distância percorrida: 18,5 km.

  

9º dia – quarta-feira – 29/05/2019: Quebrada Sahuayto – Ascensão do Nevado Quehuisha – Lari – Chivay

No último dia da expedição teremos duas opções: seguir diretamente para o povoado de Lari junto com um dos guias da expedição e com os burros que transportam nossos equipamentos, ou subir o Nevado Quehuisha (5323 m) com o outro guia para, a seguir, descer até o Cañon del Colca, terminando a caminhada em Lari.

Para a ascensão do Nevado Quehuisha iremos subir, novamente, em direção ao “passo de montanha” que separa as quebradas Calomoroco e Sahuayto, que havíamos cruzado no dia anterior e, a partir do “passo”, faremos uma travessia pelo imenso platô do Nevado Quehuisha até seu cume. A descida será feita pelo outro lado do Quehuisha até o “passo de montanha” da Quebrada Apacheta (5209 m), onde iniciaremos nossa descida até Lari. Os participantes que não desejarem subir o Nevado Quehuisha continuarão a descida pela Quebrada Sahuayto. Em ambas opções teremos uma vista espetacular, vislumbrando a porção sul da Cordilheira Ocidental com suas imensas montanhas como o Ampato (6288 m) e o Hualca Hualca (6025 m).

Após os dois grupos se encontrarem no povoado de Lari, embarcaremos em um transporte privado até a vila de Chivay. Pernoite em hotel.

Distância percorrida (com ascensão do Nevado Quehuisha): 21,5 km.

Distância percorrida (sem ascensão do Nevado Quehuisha): 16,5 km.

   

10º dia – quinta-feira – 30/05/2019: Chivay – Arequipa

Sairemos de Chivay às 09:00 para voltarmos a Arequipa em transporte privado. Chegaremos em Arequipa por volta das 12:00, sendo o restante do dia livre para descanso ou visita aos museus e igrejas da cidade. Pernoite em hotel.

   

11º dia – sexta-feira – 31/05/2019: Arequipa – Brasil

Embarque para retorno ao Brasil.



AAGM AAGPM EPGAMT
Imagens de solução
PagSeguro